A Cultura de tecidos e o avanço na medicina

Compartilhe

cultura de tecidos é uma metodologia utilizada para cultivar partes de um tecido fora do seu ambiente natural. O termo cultura de tecidos pode ser utilizado tanto para tecidos animais, quanto para tecidos de plantas.

A técnica consiste em retirar um pequeno fragmento de tecido (seja animal ou vegetal) e transferi-los para um ambiente artificial, que cria as condições perfeitas para que o tecido continue crescendo, além de manter as suas funções.

Os tecidos são formados por uma população de células que exercem uma determinada função. Os do corpo humano dividimos em quatro grupos principais, que são o tecido epitelial, conjuntivo, muscular e nervoso.

A cultura dos tecidos permitiu inúmeras descobertas nas ciências biológicas. Seu estudo revelou informações básicas sobre as células em relação à sua composição e forma, nutrição, metabolismo, atividade bioquímica, genética e reprodutiva.

Foi possível ainda identificar funções especializadas e processos de envelhecimento e cura, assim como os efeitos de agentes físicos, químicos e biológicos sobre células. Hoje também já conhecemos as diferenças entre células normais e células anormais (como células cancerígenas), promovendo um grande avanço na medicina.

Cultivo de tecidos e os avanços na medicina e agricultura

A cultura dos tecidos é de grande importância para os estudos biológicos devido a sua ampla gama de aplicações.

O trabalho com culturas de tecidos ajudou a identificar infecções, deficiências enzimáticas e anormalidades cromossômicas, classificar tumores, além de formular e testar drogas e vacinas. Em 1949, a vacina contra poliomielite foi produzida depois de observar que o vírus da poliomielite podia atacar células humanas.

Tem ajudado a esclarecer também as causas genéticas de certas doenças hereditárias e métodos foram desenvolvidos para detectar substâncias que podem causar danos genéticos. O efeito da radiação e produtos químicos em células normais e cancerígenas foi estudado. Assim, sua utilização para fins diagnósticos e de novos tratamentos é ilimitada.

Por outro lado, a cultura de tecidos de plantas pode ser usada para fins de clonagem, modificação genética de uma dada planta ou simplesmente para acelerar ou aumentar o rendimento de plantas de interesse. Resistência a pragas, mudas livres de vírus, melhoramento vegetal e alimentos transgênicos são alguns de seus potenciais na área agrícola.

Como é realizada a cultura de tecidos?

A sobrevivência e funcionamento dos tecidos cultivados só são possíveis se o seu ambiente for simulado com precisão (temperatura, pH, nutrientes, etc).

O tecido é normalmente colocado em um líquido rico em nutrientes (meio de cultura) e acomodado em placas ou frascos de cultivos especialmente revestidos para viabilizar a cultura. A temperatura, pressão e umidade são constantemente controladas, simulando o ambiente natural do tecido.

Os processos envolvidos na cultura de tecidos são bastante complexos, exigindo muito cuidado para evitar a contaminação por microrganismos. Assim as condições de trabalho usando materiais e também ambiente estéril são fundamentais.

Bioengenharia – Enxertos de pele personalizados

Após ferimentos graves, a pele humana não regenera, curando-se através da formação de cicatrizes. Em todo o mundo, milhões de pessoas sofrem de problemas cutâneos severos ou doenças que requerem intervenções cirúrgicas para restaurar a função da pele. Muitos procedimentos ainda não conseguem deixar os pacientes sem cicatrizes permanentes, dolorosas e até desfigurantes.

Após mais de 15 anos de estudos, a Unidade de Pesquisa de Biologia Tecidual, do Hospital Universitário de Zurich, desenvolveu um enxerto de pele humana personalizada partindo de um pedaço muito pequeno de pele saudável do paciente.

A tecnologia será utilizada para o tratamento de queimaduras e espera-se que as suas características proporcionem uma aparência e funcionalidade muito melhores após o enxerto. Isso foi possível graças à metodologia de cultivo de tecidos.

Para produzir o enxerto, uma pequena biópsia de pele saudável é colhida do paciente. Ela é então processada para isolar células epidérmicas e dérmicas. As células são expandidas in vitro e, em seguida, usadas em combinação com um hidrogel para criar um enxerto cutâneo dermo-epidérmico. Assim, o enxerto está pronto para ser transplantado nas feridas do paciente.

Cultura de tecidos

Fonte

  • Portal de notícias Kasvi

Referências


Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *